Seguidores

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Há vezes que a saudade...



Há vezes que a saudade
se coloca nos olhos
e não deixa ver nada
Há outras vezes que ela
arrasta-te até os pés...
ignorando os teus desejos

Há outras vezes em que
te parte pelo meio
impedindo que cabeça e coração
falem e se entendam

E ainda há outras vezes
em que a saudade
te ignora
te mira
te sangra
te despreza
e não te fala
te deixa num vazio
sem palavras
que ajudem a reconhecer
o que a gente sente

Há vezes que a saudade...

Concha Rousia

Vestidos




Amigos amigas...
que o dia vos vista
de pétalas a alma...
 

É fácil saber como vestir o corpo

A primavera veste-se de ternura
de pétala de rosa ou margarida

delicado vestido que fácil se rasga
isso faz a ternura tão vulnerável...
O inverno veste coroça de rancor
feita de juncas duras e secadas
nunca se rasga e é impermeável
difícil de penetrar sob essa capa

Com é fácil saber vestir o corpo
Mas para a alma não é tão doado
Uma dessas capas nos coneta
a outra nos esconde e nos isola
Nem sempre pode ser inverno
mas também nem sempre primavera...

Caso de dúvida
melhor não vestir nada
ficar nua
ficar em casa
não sair...
No mar das minhas dúvidas sai ao quintal
lugar de tão grande intimidade

Vesti meus olhos de verde
meus ouvidos de cantos de passarinhos
fiquei a regar a relva como se nunca mais
fosse chover no universo
eu convertida em nuvem
em rio
em lago para a carriça
que me visita e toma seu banho
sem eu saber como
quanto entrei em casa
já vinha vestida...
agora sim, posso cobrir meu corpo
com qualquer trapo e sair para meu dia...

Concha Rousia
Quntal d'Amaia 28 do 5 de 2012

sábado, 26 de maio de 2012